Home / Filhos / Especial do Dia das Mães: Meu Segundo Parto.

Especial do Dia das Mães: Meu Segundo Parto.

Olá meninas, tudo bem?

Vou começar o post de hoje com tudo: Feliz Dia das Mães!!!! Para todas as Mamães, para todas as Vovós, e para todos que não são nem uma coisa nem outra mas que tem uma Mamãe querida para amar, mesmo que ela esteja muuuuito distante!

Esse é o segundo Dia das Mães que comemoro com meus 2 filhotes, mas ano passado eu e Gustavo recebíamos alta hospitalar nessa data, então nem deu muito para comemorar. Então esse ano foi bem especial! Só de acordar em casa com o carinho dos meus dois amores e depois poder almoçar em família com a minha Mamãe, já é mais que especial!!!

E com muita alegria no coração vim escrever o post de hoje, para compartilhar com vocês como foi o meu segundo parto!!!

Para quem não sabe e não acompanhou a série do ano passado, eu sou Mamãe de 2, e no último dia das mães contei para vocês como foi o parto da minha Helena, texto que você pode ler aqui.

Apesar de diferentes, os dois momentos foram pra lá de especiais, e eu espero poder inspirar muitas de vocês que estão se preparando para o momento mais emocionante de suas vidas!!!!

Beijokas e Feliz Dia das Mães!!!!

Denise.

Sempre planejei ter 2 filhos com idades próximas, mas não imaginava que Deus me daria o meu Gustavo tão rapidamente! Quando Helena estava com 7 meses, já estava se alimentando bem e aceitando outra bebida em complemento ao leite materno, eu e meu esposo decidimos que poderíamos tentar a segunda gestação e naquele mesmo mês o meu pequeno foi encomendado.

A primeira coisa que pensei foi: “Nossa, com tão pouco tempo de diferença entre os partos, aposto que Gustavo não chega nas 40 semanas, deve vir antes”. Isso pois Helena nasceu exatamente com 41 semanas. Ha ha ha, doce ilusão. Gustavo nasceu com 40 semanas e 3 dias de gestação.

Mas, o meu segundo pensamento se concretizou: “Bom, o segundo parto deve ser mais rapidinho!”. Isso pois levei 3 dias para Helena nascer. Nesse aspecto eu acertei em cheio! Kkkkk. Tanto que no primeiro parto o hospital estava cheio de familiares na expectativa do nascimento, já no segundo só a minha irmã conseguiu chegar a tempo!!!!

Bom, mas confesso que eu fui a grande responsável por isso. Quando já temos um bebê, impossível não ficar preocupada com ele também a todos os momentos, até mesmo em trabalho de parto. Pois, desde o início da gestação combinei com minha mãe, que mora há 10 minutos da minha casa, que Helena ficaria com ela quando tivéssemos que ir ao hospital.

Porém, por um capricho do destino, as contrações iniciaram exatamente no dia que minha mãe não estaria disponível, no dia que minha irmã mais nova realizaria uma cirurgia (detalhe que esse procedimento havia sido remarcado pois o médico ficou doente na primeira data).

Eis então que no dia 06 de maio de 2016, por volta das 03:00 horas da manhã, eu acordo com as já conhecidas contrações! Primeiro pensamento: “Em 2 horas minha mãe estará em outro hospital, do outro lado da cidade, internando a minha irmã, o que fazer?”

Decidi ir monitorando as contrações. “Se tudo correr como esperado, deixamos a pequena na escola e vamos ao hospital”. E foi o que fiz. Caminhei pela casa, tentei relaxar, verifiquei se estava tudo arrumadinho, e resolvi tomar um banho. Às 06:00 acordei meu marido que dormia um sono profundo e não percebera nada – Homens….. Falei para pedir para meus sogros, que moram no litoral, passarem o final de semana em casa com Helena e eles já se colocaram rapidamente na estrada.

Logo depois as contrações ficaram beeeem intensas, e então liguei para minhas colegas obstetra e anestesista e avisei para se prepararem – elas quase me mataram por não ter avisado antes, mas quis deixa-las descansando um pouquinho.

Bom, 07:30 deixamos nossa princesa na escola e fomos para o hospital. A essa altura já estava com contrações bastante intensas e com intervalo bem curto. Mas, não contei com um probleminha no caminho… o trânsito! Gente, vou contar, carro parado no trânsito em pleno trabalho de parto é o ó!!!  Liguei para as colegas novamente e falei: “Acho melhor correrem pois o menino aqui está com pressa!”

Chegamos ao hospital às 08:30, fui atendida por uma enfermeira com quem trabalhei bastante tempo, que me falou: “Doutora, está do outro lado agora!” Rsrsrs. Ela me examinou e disse que estava com 7 cm de dilatação. Opa! Menino realmente está chegando.

Nesse exato momento minha mãe me ligou – eu não havia dito nada a ela pois ela estava já em uma situação de ansiedade – mas ao dizer ALÔ ela respondeu: “O que aconteceu? Está no hospital?” Meu Deus, só pelo meu ALÔ ela percebeu a situação. Isso é que é intuição materna! E o choro já começou.

Bom, já no hospital fiquei tranquila, procedemos com a internação e me acomodei na sala de pré parto. A primeira pessoa da equipe a chegar foi a nossa Obstetriz, que foi me ajudando com suas orientações, massagens e carinho nessa reta final das contrações. Então, senti a necessidade de ir ao banheiro e ao me levantar a bolsa se rompeu. Nesse momento senti nitidamente a cabeça do Gustavo descendo e forçando bastante para nascer. A perna travou, foi bem difícil andar até a sala de parto, mas no intervalo das contrações, peguei o embalo.

E somente nesse momento minhas colegas chegaram. Lembro que a anestesista perguntou o que deveria fazer, eu respondi que não dava tempo para mais nada, Gustavo resolvera nascer do modo mais natural possível. E então, apenas 1 força depois, exatamente às 10:06 hs da manhã do dia 06/05/2016, pude ver pela primeira vez o meu menino lindo, gorducho e muito amado!!!

Gustavo Recém Nascido.

Confesso que ter um parto natural, sem anestesia, sempre foi uma ideia que me agradava, mas nunca fiz questão absoluta disso, pois acho que uma analgesia de parto pode auxiliar muito quando bem indicada e realizada. Foi assim com Helena. Mas como o parto do Gustavo foi tão tranquilo, não senti necessidade. E achei a experiência enriquecedora.

Se você me perguntar de doeu, te respondo que as contrações finais são bem dolorosas, mas que o nascimento em si não. É uma sensação única, difícil de descrever, um misto de alívio com alegria, que só me faz reforçar a crença de que a gestação e o parto são realmente mágicos. Ainda preso ao cordão meu Gustavo veio para os meus braços, e pude entender como podemos amar tão intensa e verdadeiramente mais do que uma vez nessa vida!

Helena e Gustavo, vocês foram muito desejados e muito amados, desde sempre!

Mamãe.

Gustavo Nasceu.

 

 

 

 

Veja também

Primeira Consulta ao Dentista.

Olá meninas, tudo bem? Hoje vim falar um pouco sobre a Saúde Bucal dos pequenos. ...

2 Comentários

  1. Gustavinho e Helena são sobrinhos maravilhosos que amo muito. Parabéns Denise pela sua família, parabéns pela mãe maravilhosa que você se tornou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *